Cantos da FlorestaIniciação ao Universo Musical Indígena

Akoj té (Akoité)

Onde estão? (Ikolen-Gavião)

 

Akoj té se refere ao mito da criação da humanidade dos Ikolen Gavião. Conta que o grande guerreiro Dúnábìh (Derambi) ouviu vozes vindo de uma rocha e acabou por descobrir que havia uma humanidade ali embaixo – na realidade, os povos que vivem na região do rio Guaporé, hoje estado de Rondônia. Com a ajuda de pássaros de bico duro, o herói levantou a rocha e retirou as pessoas de baixo da pedra. O guerreiro cantou essa música quando, depois de um sonho, entendeu que seus ancestrais ficaram presos embaixo da terra após uma tragédia centenas de anos atrás.

Nessa música é interessante notar que a métrica da melodia segue a acentuação das palavras, promovendo uma divisão rítmica bem interessante. Há várias formas de escrever a partitura dessa canção, pois cada interpretação (coletiva ou individual) apresenta pequenas variações, e a forma como cada um ouve varia bastante também. Para cantar essa música, é melhor ouvir muitas vezes a gravação contida no CD, para se aproximar da sonoridade da língua e da flexibilidade rítmica dos Ikolen Gavião.

 

 

 Transcrição musical de Berenice de Almeida e Magda Pucci.

Letra em Ikolen
Ákoj té padéhréhj sá ena,
apako kíá
Ákoj té padéhréhj sá ena,
apako Kíá.
Ixíá ágóa ká ena
Apako kíá ixía ágóa ká ena
apako kíá.
Bàxùn ma’á vàrava tápiá.
Bàxùn ma’á vàrava tápiá
Ixíá ágóa ká máhj piá
óhga náboá
Ixíá ágóa ká máhj piá
óhga náboá.

Pronúncia
Akoi té pandére tsena
Apakoi kia
Akoi té pandére tsena
Apakoi kia
itcha agua kena
Apakoi kia itcha agua kena
Apakokiá
Baitxana auara uatapiá
Baitxana auara uatapiá
itxa anguá kamai pia
Onga na buá
itxá anguá kamai pia
onga na buá

Tradução
Onde estão os velhos?
Onde será que estão?
Amanhecendo…
Estão acordando dentro da pedra…
Onde estão os nossos ancestrais?
Eu quero dar bom dia a eles
Eles são o “povo do coração da pedra”.
Eles estão na oca da rocha
Eu quero ser amigo de um deles.

* Transcrição de Iran Kávsona Gavião. Tradução de Betty Mindlin, Matilde e Catarino Sebirop.