Cantos da FlorestaIniciação ao Universo Musical Indígena

Bibliografia

A

ACUÑA, Cristóbal de. Novo descobrimento do grande rio Amazonas. Rio de Janeiro: Agir, 1994.

AFONSO, Germano. Mitos e estações no céu tupi-guarani. Scienti c American Brasil, São Paulo, v. 14, p. 46-55, 2006. Especial Etnoastronomia.

ALDÈ, Veronica. Sustentando o cerrado na respiração do Maracá: conversas com os mestres Krahô. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

ALMEIDA, Berenice de; PUCCI, Magda. A oresta canta. São Paulo: Peirópolis, 2015a.

ALMEIDA, Berenice de; PUCCI, Magda. A grande pedra. São Paulo: Formato, 2015b.

ALMEIDA, Berenice de; PUCCI, Magda. Outras terras, outros sons. 2. ed. São Paulo: Callis, 2015c.

ALMEIDA, Maria Inês de (Coord.). Conne Pãnda Ríthioc Krenak: coisa tudo na língua krenak. Belo Horizonte: Secretaria Estadual da Educação/Brasília: Ministério da Educação/Unesco, 1997.

ALMEIDA, Rubem Ferreira Thomaz de; MURA, Fabio. Guarani Kaiowá: população. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/guarani-kaiowa/554 >. Acesso em: 20 set. 2017.

ALVES, Marcio Resende Ferrari; ALVES, Eustáquio Diniz. D. João VI e o genocídio dos índios Botocudos. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 16., 2008, Caxambu, MG. Anais… Caxambu, MG. Disponível em: < http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2008/docspdf/ABEP2008_1953.pdf >. Acesso em: 20 out. 2015.

AMORIM, Lilian B. Cerâmica marajoara: a comunicação do silêncio. Belém: Museu Paraense Emilio Goeldi, 2010. AMOROSO, Marta Rosa. Catequese e evasão: etnogra a do aldeamento indígena São Pedro de Alcântara, Paraná (1855-1895). Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filoso a, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

AMPARO, Sandoval dos Santos. Sobre a organização espacial dos Kaingáng, uma sociedade indígena Jê Meridional. Porto Alegre: Luminária/Multifoco, 2015.

ANDRADE, Mário de. Música, doce música. São Paulo: Martins, 1976.

ANDRELLO, Geraldo L. Iauarete: transformações sociais e cotidiano no rio Uaupes (Alto Rio Negro, Amazonas). Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

ARRUTTI, José Maurício. Pankararu: o sistema ritual do Toré. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/pankararu/885 >. Acesso em: 25 jul. 2015.

ARTEFATOS indígenas no Pavilhão das Culturas Brasileiras no parque do Ibirapuera. Agito SP, São Paulo, 13 set. 2011. < http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/patrimonio_historico/culturas_brasileiras/publicacoes/index.php?p=10000 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

ARTE MARAJOARA. Enciclopédia Itaú Cultural. Disponível em: < http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo5353/arte-marajoara-ceramica-marajoara >. Acesso em: 20 out. 2015.

ASSOCIAÇÃO WARÃ. Disponível em: < http://wara.nativeweb.org >. Acesso em: 31 ago. 2017.

ASSOCIAÇÃO YARIKAYU; INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL; MUSEU DA BASILEIA. Catálogo de instrumentos musicais do povo Yudjá. Yudjá pãr ̃e abïaha: a história das autas yudjá. Basileia, CH: Associação Yarikayu, 2006. Disponível em: < http://ufdcimages.uib.u.edu/IR/00/00/06/91/00001/Athayde_Yudja_Catalogue_2006.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017. ATHAYDE, Simone Ferreira de (Org.). Arte indígena Parque do Xingu: catálogo de divulgação cultural e comercial. São Paulo: ISA/Canarana: Atix, 2001.

AYTAI, Desidério. O mundo sonoro Xavante. São Paulo: Museu Paulista, 1985. (Coleção Museu Paulista: Etnologia). Disponível em: < https://groups.google.com/forum/#!topic/etnolinguistica/-HJ_CpQzfNU >. Acesso em: 31 ago. 2017. AYTAI, Desidério. A auta nasal nambikuara. Paulínia, SP: Museu Municipal de Paulínia, 1982. Disponível em: < https://groups.google.com/forum/#!topic/etnolinguistica/-HJ_CpQzfNU >. Acesso em: 31 ago. 2017.

AYTAI, Desidério. Um microcosmo musical: cantos dos índios Xetá. n. 9. Paulínia, SP: Museu Municipal de Paulínia, 1979. Disponível em: < https://groups.google.com/forum/#!topic/etnolinguistica/-HJ_CpQzfNU >. Acesso em: 31 ago. 2017.

AZEVEDO, Marta. Quantos eram? Quantos são?. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2000. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/quantos-sao/quantos-eram-quantos-serao >. Acesso em: 14 jun. 2015.

AZEVEDO, Marta; KAHN, Marina. O que está em jogo no desa o da escolarização indígena?. In: CARVALHO, Fernanda Lopes de. (Org.). Educação escolar indígena em Terra Brasilis: tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, 2004. p. 57-86.

B

BAETA, Alenice Motta; MATTOS, Izabel Missagia de. A Serra da Onça e os índios do rio Doce: uma perspectiva etnoarqueológica e patrimonial. Habitus, Goiânia, v. 5, n. 1, p. 39-62, jan./jun. 2007.310

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010. BARBOSA, Luiz Bueno Horta. O problema indígena do Brasil: a paci cação dos índios Caingangue paulistas: hábitos, costumes e instituições desses índios. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. n. 88, 1947. v. 88. BARCELOS NETO, Aristóteles. Processo criativo e apreciação estética no gra smo Wauja. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 12, n. 12, p. 87-110, 2004.

BARCELOS NETO, Aristóteles. Arte, estética e cosmologia entre os índios Waurá da Amazônia meridional. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

BARROS, Líliam Cristina da Silva. O Kapiwayá e seu lugar no universo músico-coreográ co-ritual em um clã Desana, Alto Rio Negro, Amazonas. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v. 7, n. 2, p. 509-523, 2012. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222012000200012&lng=en&tlng=pt.10.1590/S1981-81222012000200012 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

BARROS, Líliam Cristina da Silva. Repertórios musicais em trânsito: música e identidade indígena em São Gabriel da Cachoeira. Belém: UFPA, 2009.

BARROS, Líliam Cristina da Silva; SANTOS, Maria de Souza. Fronteiras étnicas nos repertórios musicais das “festas de santo” em São Gabriel da Cachoeira (Alto Rio Negro, AM). Boletim Museu Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v. 2, n. 1, p. 23-53, jan./abr. 2007.

BEAUDET, Jean-Michel. Sou es d’Amazonie: Les orchestres “tule” des Wayãpi. Nanterre: Société d’Ethnologie (Collection de la Société Française d’Ethnomusicologie, III). 1 CD-ROM, 19 faixas com exemplos musicais, 1997. BEAUDET, Jean-Michel. L’ethonomusicologie de l’Amazonie. L’Homme, v. 126-128, p. 527-533, 1993.

BELTRÃO, Luiz. Folkcomunicação: um estudo dos agentes e meios populares de informação de fatos e expressão de ideias. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2001.

BERWANGER, Ricardo; SÁ, Franco de. Descortinando o desconhecido: patrimônio imaterial dos grupos étnicos do Alto Rio Negro em Manaus. Manaus: Iphan, 2008.

BIERLEIN, J. F. Mitos paralelos. Rio de Janeiro: Ediouro, 1993.

BISPO, Antônio Alexandre. Karl Gustav Izikowitz: migração de bens culturais e sistemática organológica. Fórum Brasil-Europa de Leichlingen. Série preparatória da Semana Alemanha-Brasil, 1982. Disponível em: < http://www. academia.brasil-europa.eu/Materiais-abe-83.htm >. Acesso em: 10 nov. 2015.

BITTENCOURT, Gabriel. A formação econômica do Espírito Santo. Vitória: Cátedra, 1987.

BODIN, Max. Dicionário de tupi moderno. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas, 1978. v. 1-2. BORBA, Telêmaco. Actualidade indígena. Curitiba: Impressora Paranaense, 1908.

BRASIL. Carta Régia, 13 de maio 1808 – Botocudos. Coleção de Leis do Império do Brasil. v. 1, p. 37, 1808. Disponível em: < http://www2.camara.leg.br/legin/fed/carreg_sn/anterioresa1824/cartaregia-40169-13-maio-1808-572129-publicacaooriginal-95256-pe.html >. Acesso em: 31 ago. 2017.

BRASILEIRO, Sheila. O ritual do Toré. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kiriri/706 >. Acesso em: 26 jul. 2015.

BREVES, Núbia do Socorro Pinto. Conhecimento omágua/kambeba e a educação em ciências: um estudo na escola municipal Três Unidos no rio Cuieiras/baixo rio Negro. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências na Amazônia) – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2013.

BUDASZ. Rogério. O cancioneiro Ibérico em José de Anchieta: um enfoque musicológico. Dissertação (Mestrado em Musicologia) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996. CABALZAR, Aloisio. Kumurõ: banco Tukano. São Gabriel da Cachoeira, SP: ISA/Foirn, 2015.

C

CABALZAR, Aloisio. Filhos da cobra de pedra: organização social e trajetórias Tuyuka no rio Tiquié (noroeste amazônico). São Paulo: Unesp, 2008.

CABALZAR, Aloisio. Tuyuka: introdução. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/tuyuka >. Acesso em: 31 ago. 2017.

CADOGAN, León. Ayvú Rapyta: textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. 2. ed. Assunção: Ceaduc- Cepag, 1997.

CALDERARO, Kátia Cilene Lopes. O universo lúdico das crianças indígenas. Manaus: CCPA, 2006. v. 1.

CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo: Itatiaia, 1993.

CAMÊU, Helza. Introdução ao estudo da música indígena brasileira. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura/ DAC, 1977.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. São Paulo: Palas Athenas, 2012.

CAMPOS, Maria Cristina Rezende de. As formas e as reformas da identidade Xavante: uma abordagem metodológica. ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 2., 2006, Campinas. Anais… Campinas, SP: IFCH- Unicamp, 2006.

CAPIBERIBE, Artionka; BONILLA, Oiara. Simone Dreyfus e a antropologia: um tropismo pela América do Sul. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 335-372, 2008.

CARDOZO, Ivaneide Bandeira (Org.). Códigos e normas Paiter Suruí. Porto Velho, RO: Edufro, 2014.

CARVALHO, Fernanda Lopes de. (Org.). Educação escolar em Terra Brasilis: tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase, 2004. Disponível em: < http://www.ibase.br/pt/wp-content/uploads/2012/01/outros-educa%C3%A7%C3%A3o-escolar-ind%C3%ADgena-em-terra-brasilis.pdf >. Acesso em: 10 out. 2015.311

CARVALHO, Jaime et al. O conhecimento etnoecológico dos pescadores yudjá, terra indígena Paquiçamba, Volta Grande do rio Xingu, PA. Tellus, Campo Grande, MS, v. 11, n. 21, p. 123-147, jul./dez. 2011.

CASTANHO, Thiago. Sete furos: um para boca e seis para os dedos. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2008. Disponível em: < http://puc-riodigital.com.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=837&sid=55&tpl=printerview >. Acesso em: 10 out. 2015.

CHAMORRO, Graciela. A arte da palavra na etnia Kaiowá. Boletín: Société Suisse des Américanistes/Schweizerische Amerikanisten – Gesellschaft, n. 73, p. 43-58, 2011.

CHAMORRO, Graciela. Terra Madura, Yvy Araguyje: fundamento da palavra Guarani. Dourados: Ed. UFGD, 2008. CHAMORRO, Graciela. O rito de nominação numa aldeia Mbyá-Guarani do Paraná. Diálogos, Maringá, PR, v. 2, n. 1, p. 202-216, 1998. Disponível em: < http://www.uem.br/dialogos/index.php?journal=ojs&page=article&op=viewArticle&path%5B%5D=327 >. Acesso em: 19 set. 2017.

CHIARADIA, Clóvis. Dicionário brasileiro de palavras de origem indígena. São Paulo: Limiar, 2008. CIMI, Conselho Indigenista Missionário. Terras indígenas. Disponível em http://www.cimi.org.br/site/pt-br/index.php?system=paginas&conteudo_id=5719&action=read . Acesso em 15 out. 2017

CIVALLERO, Edgardo. Clarinetes tradicionales de América del Sur, partes I-II – Brasil y Chaco. Madrid, 2015. Disponível em: < http://issuu.com/edgardo-civallero/docs/clarinetes_tradicionales_de_am__ric >. Acesso em: 31 ago. 2017.

CIVALLERO, Edgardo. Arcos musicales de América del Sur. Madrid, 2014a. Disponível em: < http://issuu.com/edgardo-civallero/docs/arcos_musicales >. Acesso em: 31 ago. 2017.

CIVALLERO, Edgardo. Introducción a las autas de Pan: guía de auta de Pan, su historia, su uso y su distribución geográ ca. Madri, 2014b. Disponível em: < http://issuu.com/edgardo-civallero/docs/intro autasdepan >. Acesso em: 31 ago. 2017.

CIVALLERO, Edgardo. Guía de autas de Pan de las tierras bajas de América del Sur. Madrid, 2013. Disponível em: < http://issuu.com/edgardo-civallero/docs/gu__a_de_autas_de_pan_tbas >. Acesso em: 31 ago. 2017.

CLASTRES, Pierre. A fala sagrada, mitos e contos dos Guarani. São Paulo: Papirus, 1990.

COELHO, Luís Fernando Hering. A nova edição de Why Suyá Sing, de Anthony Seeger, e alguns estudos recentes sobre música indígena nas terras baixas da América do Sul. Mana, Rio de Janeiro, v. 13, p. 237-249, 2007.

COELHO, Luís Fernando Hering. Por uma antropologia da música Arara (Caribe): um estudo do sistema das músicas vocais. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

COHN, Sérgio (Org.). Ailton Krenak. Rio de Janeiro: Azougue, 2015. (Coleção Encontros, 50.)

COMERLATO, Fabiana. As representações rupestres do estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Ohun, Salvador, ano 2, n. 2, p. 150-164, out. 2005.

CONVENÇÃO para a gra a dos nomes tribais. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 150-152, 1954. COSTA, Maria Heloisa Fénelon. A arte e o artista na sociedade karajá. Brasília: Funai, 1978.

CRAEMER, Ute. O brincar na comunidade: uma comunidade se transforma com arte lúdica. In: MEIRELES, Renata (Org.). Território do brincar: diálogo com escolas. São Paulo: Instituto Alana, 2015. p. 47-49.

CUNHA, Carolina. Escritores indígenas falam da importância da literatura nativa para a educação das crianças, 2015. Disponível em: < http://www.carolcunha.net/?p=131 >. Acesso em: 12 set. 2017.

CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). Carta Régia ao governador e capitão general da capitania de Minas Gerais sobre a guerra aos Índios Botocudos, 13 maio 1808. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). Legislação indigenista no século XIX: uma compilação (1808-1889). São Paulo: Edusp, 1992. p. 57-60.

D

DALLANHOL, Katia Maria Bianchini. Jeroky e Jerojy: por uma antropologia da música entre os Mbya Guarani do Morro dos Cavalos. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

DALLARI, Dalmo. Direito à terra está acima de conveniências. Entrevista dada a Hashizume. Carta Maior, 4 maio 2004. Disponível em: < http://gvces.com.br/direito-a-terra-esta-acima-de-conveniencias-diz-dallari?locale=pt-br#sthash.mUyUsZcV.dpuf 04/05/2004 >. Acesso em: 7 out. 2015.

DASCHIERI, Bruno Emílio Fadel. Música de Jurupari: um ensaio sobre sonoridade e transformação. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Instituto de Ciências Humanas e Filoso a, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2011.

DECLARAÇÃO das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas. Rio de Janeiro: ONU, 2008. Disponível em: < http://www.un.org/esa/socdev/unpi/documents/DRIPS_pt.pdf >. Acesso em: 14 nov. 2015.

DEMARCAÇÕES nos últimos seis governos. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2016. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/0/1/2/demarcacoes-nos-ultimos-governos >. Acesso em: 31 ago. 2017. DICIONÁRIO ilustrado tupi-guarani, [s.d.]. Disponível em: < http://www.dicionariotupiguarani.com.br/ >. Acesso em: 13 set. 2017.

DOMINGUES-LOPES, Rita; OLIVEIRA, Assis; BELTRÃO, Jane. O lúdico em questão: brinquedos e brincadeiras indígenas. Desidades, Rio de Janeiro, v. 6, p. 25-39, 2015. Disponível em: < http://desidades.ufrj.br/featured_topic/o-ludico-em-questao-brinquedos-e-brincadeiras-indigenas/ >. Acesso em: 31 ago. 2017.

DORTA, Sonia Ferraro; CURY, Marília Xavier. A plumária indígena brasileira: no Museu de Arqueologia e Etnologia da USP. São Paulo: Edusp/MAE/Imprensa O cial do Estado, 2000. 312

DUARTE, Edir Lobato; SILVA, Maria das Graças Santana. Instrumentos musicais indígenas: a arte e a Coleção Etnográ ca Curt Nimuendajú do Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém: Fundação Carlos Gomes/Museu Paraense Emílio Goeldi/Imprensa O cial do Estado, 2014.

DURKHEIM, Émile. Formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Tradução Joaquim Pereira Neto. Rev. José Joaquim Sobral. São Paulo: Paulinas, 1999.

E

ELIADE, Mircea. Xamanismo e as técnicas arcaicas do êxtase. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ENCICLOPÉDIA DOS POVOS INDÍGENAS BRASILEIROS. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt >. Acesso em: 10 out. 2015.

ENCICLOPÉDIA POVOS INDÍGENAS NO BRASIL; PROGRAMA XINGU. Guarani. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2011. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/guarani >. Acesso em: 1 set. 2017.

ENTRE xamãs e artistas: entrevista com Els Lagrou. Revista Usina, [s.l.], n. 20, jul. 2015. Disponível em: < https://revistausina.com/2015/07/15/entrevista-com-els-lagrou/ >. Acesso em: 15 set. 2017.

ERMEL, Priscilla Barrak. O corpo da música e música do corpo: re exões sobre música popular e música ritual em performances híbridas. In: CONGRESO IASPM-AL, 7., 2006, La Habana. Rama Latinoamericana de la Asociación Internacional para el Estudio de la Música Popular. Anais… La Habana, 2006.

ERMEL, Priscilla Barrak. O arco e a lira: documentário. São Paulo: Laboratório de Som e Imagem em Antropologia, 2001. ESPINDOLA, Haruf Salmen. Sertão do rio Doce. Bauru, SP: Edusc, 2005.

F

FARGETTI, Cristina Martins (Org.). Kanemai’a’ahã dju’a papera: livro do artesanato do povo Juruna (Yudjá). Campinas, SP: Curt Nimuendaju, 2010.

FARGETTI, Cristina Martins (Org.). Análise fonológica da língua juruna. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1992.

FEITOSA, Cintya. Índios protegem 30% do carbono da Amazônia. Observatório do Clima, 18 set. 2015. Disponível em: < http://www.observatoriodoclima.eco.br/indios-protegem-30-do-carbono-da-amazonia >. Acesso em: 5 nov. 2015. FENELON COSTA, Maria Heloisa. Karajá/Arte e cultura material. São Paulo: Instituto Socioambiental, 1968.

FERREIRA, Alexandre Rodrigues. Viagem losó ca pelas capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá: 1783-1792. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1971. (Iconogra a, v. I: Geogra a e Antropologia).

FERREZ, Marc. Índios Botocudos. 1876. Monocromática. sp: 18,0 x 24,0 cm. Colódio/ Prata. Coleção Gilberto Ferrez. São Paulo: Instituto Moreira Salles. Disponível em: < http://brasilianafotogra ca.bn.br/brasiliana/discover?rpp=10&page=3&query=Botocudos&group_by=none&etal=0 >. Acesso em: 3 out. 2017.

FILMES INDÍGENAS – YANDÊ. Disponível em: < http://antrocine.blogspot.com.br/2015/04/25-lmes-indigenas-diferentes.html?m=1 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

FOIRN. Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro. Materiais diversos. Disponível em: < http://www.foirn.org.br/povos-indigenas-do-rio-negro/nos-indigenas-do-rio-negro >. Acesso em: 31 ago. 2017.

FONSECA, Maurício. O canto dos Guarani: 500 anos de resistência cultural. Diálogos – Religião e Cultura, São Paulo, ano 6, n. 24, p. 12-16, 2001.

FRANK, Erwin. Objetos, imagens e sons: a etnogra a de Theodor Koch-Grünberg (1872-1924). Boletim Museu Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v. 5, n. 1, p. 153-171, jan./abr. 2010. Disponível em: < http://www.museu-goeldi.br/editora/bh/artigos/chv5n1_2010/memoria_objetos(frank).pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017.

FRANK, Erwin. Viajar é preciso: Theodor Koch-Grünberg e a Völkerkunde alemã do século XIX. Revista
de Antropologia, São Paulo, v. 48, n. 2, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-77012005000200005&script=sci_arttext&tlng=pt >. Acesso em: 23 out. 2015.

FREITAS, Ana Elisa. Mrur Jykre – a cultura do cipó: territorialidades Kaingang na margem leste do lago Guaíba. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

FRIEDMANN, Adriana. O universo simbólico da criança: olhares sensíveis para a infância. São Paulo: Nepsid, 2014. Disponível em: < http://territoriodobrincar.com.br/wp-content/uploads/2015/06/Adriana_Friedmann_O_Universo_Simbolico_da_Crianca.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017.

FULOP, Marcio. Aspectos da cultura Tukano. Manaus: Edua/Faculdade Salesiana Dom Bosco, 2009.

FUNAI. Fundação Nacional do Índio. Povo Paiter Suruí inaugura primeiro museu de Rondônia dentro de uma terra indígena, 22 jul. 2016. Disponível em: < http://www.funai.gov.br/index.php/comunicacao/noticias/3849-povo-paiter-surui-inaugura-primeiro-museu-de-rondonia-dentro-de-uma-terra-indigena >. Acesso em: 14 abr. 2017.

G

GALVÃO, Eduardo. Áreas culturais indígenas do Brasil 1900-1959. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, n. 8, 1960.

GASPAR, Lúcia. Danças indígenas do Brasil. Pesquisa Escolar. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, [s.d.]. Disponível em: < http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=839:dancas-indigenas-do-brasil&catid=39:letra-d >. Acesso em: 18 set. 2017.

GENTIL, Gabriel. Bahsariwii: a casa de danças. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 14, p. 323-327, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702007000500010&lng=en&tlng=pt >. Acesso em: 29 out. 2015.

GIBRAM, Paola Andrade. Dos sons para o além: uma análise da música presente no ritual Kikikoi dos índios Kaingang de Xapecó, SC. Mosaico Social, Florianópolis, v. 4, p. 39-56, 2008.313

GIORDANI, Ary. Mbaraka: metonímia musical Mbyá. Dissertação (Mestrado em Música) – Setor de Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2009. Disponível em: < http://www.academia.edu/3395154/MBARAKA_METONIMIA_MUSICAL_MBYA >. Acesso em: 31 ago. 2017.

GRAHAM, Laura. Xavante: introdução. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2008a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/xavante >. Acesso em: 1 set. 2017.

GRAHAM, Laura. Xavante: histórico do contato. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2008b. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/xavante/1645 >. Acesso em: 1 set. 2017.

GRAHAM, Laura. Xavante: organização social e cerimoniais. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2008c. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/xavante/1164 >. Acesso em: 1 set. 2017.

GRAHAM, Laura. Performing Dreams: Discourses of Immortality Among the Xavante of Central Brazil. Austin: University of Texas Press, 1995.

GRAHAM, Laura. Three modes of Shavante expression: wailing, collective singing and political oratory. In: SHERZER, Joel; URBAN, Gregory (Ed.). Native South American Discourse. Nova York: Mouton de Gruyter, 1986. p. 83-118. GRANDO, Beleni Saléte (Org.) Jogos e culturas indígenas: possibilidades para a educação intercultural na escola. Cuiabá: EdUFMT, 2010. Disponível em: < http://www.esporte.gov.br/arquivos/sndel/esporteLazer/cedes/jogosCulturasIndigenas.pdf#page=38 >. Acesso em: 7 fev. 2017.

GRÜNEWALD, Rodrigo de Azeredo. Toré e jurema: emblemas indígenas no nordeste do Brasil. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 60, n. 4, p. 43-45, 2008. Disponível em: < http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252008000400018&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 12 set. 2017.

GRÜNEWALD, Rodrigo de Azeredo. Toré: regime encantado do índio do Nordeste. Recife: Massangana/Fundação Joaquim Nabuco, 2005.

GRUPIONI, Luís Donizete. Censo Escolar Indígena. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/politicas-indigenistas/educacao-escolar-indigena/censo-escola-indigena >. Acesso em: 11 out. 2015.

GRUPIONI, Luís Donizete. Educação escolar indígena: introdução. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]b. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/politicas-indigenistas/educacao-escolar-indigena/introducao >. Acesso em: 15 out. 2015.

GRUPIONI, Luís Donizete. Referencial curricular nacional para escolas indígenas. Povos indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]c. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/politicas-indigenistas/educacao-escolar-indigena/referencial-curricular-nacional-para-escola-indigenas >. Acesso em: 19 out. 2015.

GRUPIONI, Luís Donizete. Coleções e expedições vigiadas: os etnólogos no conselho da scalização das expedições artísticas e cientí cas no Brasil. São Paulo: Hucitec Anpocs, 1998.

GRUPIONI, Luís Donizete; MACEDO, Valéria. Exposições e invisíveis na antropologia de Lux Vidal. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 52, n. 2, p. 789-814, 2009.

GRZYBOWSKI, Cândido. Apresentação. In: CARVALHO, Fernanda Lopes de. (Org.). Educação escolar indígena em Terra Brasilis: tempo de novo descobrimento. Rio de Janeiro: Ibase. p. 7-10. Disponível em: < http://old.socialwatch.org/es/informeImpreso/pdfs/1-ibase_ei_apresentacao.pdf >. Acesso em: 15 jun. 2015.

GUERREIRO, Antonio. Quarup: transformações do ritual e da política no Alto Xingu. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 377-406, ago. 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132015000200377&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 15 set. 2017.

H

HAMPÁTÊ BÂ, Amadou. Amkoullel – menino fula. Editora Palas Athenas, São Paulo, 2013.

HERBETTA, Alexandre Ferraz. Entre a terra e o espaço: modos indígenas de ir para o céu. TRANS – Revista Transcultural de Música, Barcelona, n. 15, 2011.

HERBETTA, Alexandre Ferraz. Kalankó: encantados. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2009. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kalanko/2053 >. Acesso em: 17 out. 2015.

HERBETTA, Alexandre Ferraz. “A idioma” dos índios Kalankó: por uma etnogra a da música no alto sertão alagoano. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

HERNDON, William Lewis; GIBBON, Lardner. Exploração del valle del Amazonas. Quito: Abya-Yala/Ceta, 1991. (Tomo I.)

HERRERO, Marina; FERNANDES, Ulysses. Jogos e brincadeiras do povo Kalapalo. São Paulo: Ed. Sesc, 2010. HILL, Jonathan. Keepers of the Sacred Chants: The Poetics of Ritual Power in an Amazonian Society. Tucson, AZ: University of Arizona Press, 1993.

HILL, Jonathan; CHAUMEIL, Jean-Pierre. Burst of Breath: indigenous ritual wind instruments in Lowland South American. London: Nebraska Press, 2011.

HOLLER, Marcos. Os jesuítas e a música do Brasil colonial. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 2010.

HORNBOSTEL, Erich M. von. Musik der Makuschí, Taulipáng und Yekuana. In: KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Vom Roroima zum Orinoco. Stuttgart, DE: Strecker u. Schröder, 1923. p. 397-442. v. 3. Disponível em: < http://www.thydewa.org/downloads1 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

HORNBOSTEL, Erich M. von; SACHS, Curt. Systematik der Musikinstrumente: Ein Versuch. Translated as “Classi cation of Musical Instruments” by Anthony Baines and Klaus Wachsmann. Galpin Society Journal, n. 14, p. 3-29, 1961[1914].314

HUGH-JONES, Stephen. Bará. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003a. Disponível em: < http://pib. socioambiental.org/pt/povo/bara/1381 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

HUGH-JONES, Stephen. Barasana: rituais. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003b. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/barasana/1400 >. Acesso: 3 out. 2015.

HUGH-JONES, Stephen. Tuyuka: Ciclo ritual. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003c. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/tuyuka/1793 >. Acesso em: 31 ago. 2017. IBGE. Instituto Brasileiro de Geogra a e Estatística. Os indígenas no Censo Demográ co 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/indigenas/indigena_censo2010.pdf >. Acesso em: 14 out. 2015.

I

InDIOMAS. Disponível em: < http://indiomas.iel.unicamp.br/p/projeto-web.html >. Acesso em: 17 out. 2015.

IPHAN. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Dossiê Expressão grá ca e oralidade entre os Wajãpi do Amapá. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/portal/baixaFcdAnexo.do?id=726 >. Acesso em: 14 jul. 2015.

ISA. Instituto Socioambiental. De olho nas terras indígenas. Painel de monitoramento socioambiental das terras indígenas no Brasil. Disponível em: < http://ti.socioambiental.org/pt-br/#!/pt-br/terras-indigenas/pesquisa/povo/38 >. Acesso: 1 set. 2017.

IZIKOWITZ, Karl Gustav. Migração de bens culturais e sistemática organológica. Academia Brasil Europa, 1982. Disponível em: < http://www.academia.brasil-europa.eu/Materiais-abe-83.htm >. Acesso em: 31 ago. 2017.

IZIKOWITZ, Karl Gustav. Musical and other sound instruments of the South American indians: A Comparative Ethnographical Study. Göteborg: Göteborgs Kungl, 1935. (Vetenskaps-och Vitterhets-Samhälles Handlingar Femte Följden. Ser. A. 5, n. 1.)

J

JECUPÉ, Kaka Werá. Tupã Tenondé: a criação do universo, da terra e do homem segundo a tradição oral Guarani. São Paulo: Peirópolis, 2001.

JOÃO, Izaque. Jakaira reko nheypyrũ marangatu mborahéi: origem e fundamentos do canto Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2011. Disponível em: < http://200.129.209.183/arquivos/arquivos/78/MESTRADO-DOUTORADO-HISTORIA/ Izaque%20Jo%C3%A3o.pdf >. Acesso em: 18 nov. 2015.

JOLKESKY, Marcelo Pinho de Valhery. Reconstrução fonológica e lexical do proto-jê meridional. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010. JUNQUEIRA, Carmen. Antropologia indígena: uma (nova) introdução. 2. ed. São Paulo: Educ, 2008.

JUNQUEIRA, Carmen; VITTI, Taciana. O Kwaryp Kamaiurá na aldeia de Ipavu. Estudos Avançados, São Paulo, v. 23, n. 65, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142009000100010&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 12 fev. 2015.

JURUNA, Mário. O gravador do Juruna. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1982.

JUSTINO, Seridu. Depoimento pessoal. Manaus, 2010.

K

KANINDÉ Associação de Defesa Etnoambiental. Ikolen. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2008. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/ikolen >. Acesso em: 1 set. 2017.

KANINDÉ Associação de Defesa Etnoambiental; Jupaú; Associação do Povo Indígena Uru-Eu-Wau-Wau. Uru- Eu-Wau-Wau: adornos e festas. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/uru-eu-wau-wau/1131 >. Acesso em: 15 out. 2015.

KARAI MIRI, Pedro Vicente. Ñande Arandu Pyguá: memória viva Guarani. Encarte CD. São Paulo: Instituto Tekó Arandu/Projeto Memória Viva Guarani/Cepam/Cáritas/Fundo Social de Solidariedade da Educação/SEC-SP, 2004. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brinquedos e brincadeiras indígenas. Revista Artesanías de América, Cuenca, EC, n. 44, p. 87-98, 1994a.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Crianças indígenas brincam assim. Revista Nova Escola, São Paulo v. 9, n. 74, p. 22-23, abr. 1994b.

KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Do Roraima ao Orinoco: observações de uma viagem pelo Norte do Brasil e pela Venezuela durante os anos de 1911 a 1913. São Paulo: Ed. Unesp, 2006. v. 1.

KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Vom Roraima zum Orinoco: ergebnisse eine reise in Nordbrasilien und Venezuela in den Jahren 1911-1913. Berlin: Dietrich Reimer, 1917. v. 1.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRAUSE, Franz. Wildnissen Brasilien. Tradução Padberg Drenkpol [excertos]. Rio de Janeiro: Museu Nacional do Rio de Janeiro, 1926.

KRENAK, Ailton. Genocídio e resgate dos Botocudo. Entrevista a Marco Antônio Tavares Coelho. Estudos Avançados, São Paulo, v. 23, n. 65, p. 193-204, 2009.

KRENAK, Ailton. Se o bicho avançar, vamos encarar de pé. Carta Capital, São Paulo, 10 abr. 2015. Depoimento a Felipe Milanez. Disponível em: < https://www.cartacapital.com.br/sociedade/201cse-o-bicho-avancar-vamos-encarar-de-pe201d-diz-ailton-krenak-1118.html >. Acesso em: 3 out. 2017.

L

LA CONDAMINE, Charles-Marie de. Viagem pelo rio Amazonas (1735-1745): seleção e textos, introdução e notas de Hélène Minguet. Tradução Maria Helena F. Martins. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/São Paulo: Edusp, 1992. LAGROU, Els Maria. Arte ou artefato? Agência e signi cado nas artes indígenas. Revista Proa, Campinas, n. 2, v. 1, 2010. Disponível em: < http://www.ifch.unicamp.br/proa >. Acesso em: 26 out. 2015.315

LAGROU, Els Maria. Arte indígena no Brasil: agência alteridade e relação. Belo Horizonte: C/Arte, 2009.

LAGROU, Els Maria. Arte Kaxinawa. Instituto Socioambiental, 2004. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaxinawa/400 >. Acesso em: 19 nov. 2015.

LAGROU, Els Maria. O que nos diz a arte Kaxinawa sobre a relação entre identidade e alteridade? Mana, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 29-61, abr. 2002. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132002000100002 >. Acesso em: 17 out. 2015.

LAGROU, Els Maria. Arte indígena: o conceito de arte e os índios. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/modos-de-vida/artes >. Acesso em: 15 jul. 2015.

LANGER, Protasio Paulo. Violinistas Kaiowá/Guarani: dados etnográ cos e históricos sobre os violinos de procedência missioneira no atual Mato Grosso do Sul. In: LANGER, Protasio Paulo; CHAMORRO, Cándida Graciela (Org.). Missões, militância indigenista e protagonismo indígena. São Bernardo do Campo, SP: Nhanduti, 2012. p. 317-338. Disponível em: < http://rabeca.org/pdf/ViolinosInd%C3%ADgenasnoMS.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017. LAROQUE, Luís Fernando da Silva. Fronteiras geográ cas, étnicas e culturais envolvendo os Kaingang e suas lideranças no sul do Brasil (1889-1930). Pesquisas – Antropologia, São Leopoldo, RS: Unisinos, n. 64, 2007. Disponível em: < http://www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/antropologia/antropologia64/antropologia64.pdf >. Acesso em: 8 set. 2017.

LASMAR, Cristiane. De volta ao Lago de Leite: gênero e transformação no Alto Rio Negro. São Paulo: Unesp, 2005. LERRER, Debora. As histórias dos índios, por eles mesmos. Carta Capital, 21 jul. 2011. Cultura. Disponível em: < http://www.cartacapital.com.br/cultura/as-historias-dos-indios-por-eles-mesmos >. Acesso em: 11 out. 2015.

LÉRY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. Tradução e notas Sérgio Milliet. Belo Horizonte/São Paulo: Biblioteca do Exército, 1961. Disponível em: < http://fortalezas.org/midias/arquivos/1713.pdf >. Acesso em: 19 out. 2015.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2005.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O cru e o cozido: mitológicas I. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes Trópicos. São Paulo: Edições 70, 1993.

LIMA, Tânia Stoltze. Um peixe olhou para mim: o povo Yudjá e a perspectiva. São Paulo: Ed. Unesp/ISA/NUT, 2005. LIMA, Tânia Stolze. Yudjá/Juruna: cauinagem. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja/648 >. Acesso em: 12 dez. 2015.

LIMA, Tânia Stolze. Yudjá/Juruna: cosmologia e xamanismo. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001b. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja/648 >. Acesso em: 12 dez. 2015.

LIMA, Tânia Stolze. Yudjá/Juruna: história e população. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001c. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja/645 >. Acesso em: 10 dez. 2015.

LIMA, Tânia Stolze. Yudjá/Juruna: introdução. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001d. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja >. Acesso em: 31 ago. 2017.

LIMA, Tânia Stolze. Yudjá/Juruna: nome. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001e. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/yudja/645 >. Acesso em: 10 dez. 2015.

LÍNGUAS do mundo: Unesco estima que 2,5 mil idiomas podem desaparecer no futuro. Universia, 23 fer. 2017. Disponível em: < http://noticias.universia.com.br/cultura/noticia/2017/02/23/1149857/linguas-mundo-unesco-estima-2-5-mil-idiomas-podem-desaparecer-futuro.html >. Acesso em: 19 set. 2017.

LITTAIF, Aldo. As divinas palavras: identidade étnica dos Mbyá-Guarani. Florianópolis: UFSC, 1996.

LOVOLD, Lars; FORSETH, Elisabeth. Ikolen-Gavião: cosmologia. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2008. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/ikolen/1315 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

M

MACEDO, Valéria. Dos cantos para o mundo: invisibilidade, gurações da “cultura” e o se fazer ouvir nos corais Guarani. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55, n. 1, dez. 2012. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46969 >. Acesso em: 12 nov. 2015.

MACEDO, Valéria. Nexos da diferença: cultura e afecção em uma aldeia guarani na Serra do Mar. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filoso a, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010a.

MACEDO, Valéria. Tamõi e Xondáro: vetores diferenciantes na cosmopolítica guarani. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 34., 2006, São Paulo. Anais… São Paulo, 2010b. p. 1-23. Disponível em: < http://www.anpocs.com/index.php/papers-34-encontro/st-8/st28-2/1634-vmacedo-tamoi-e-xondaro/file >. Acesso em: 6 set. 2017.

MACIEL, Benedito. Kambeba: história. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2007a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kambeba/320 >. Acesso em: 1 set. 2017.

MACIEL, Benedito. Kambeba: localização e população. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2007b. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/kambeba/320 >. Acesso em: 1 set. 2017.

MACIEL, Benedito. Entre os rios da memória: história e resistência dos Cambeba na Amazônia brasileira. In: SAMPAIO, Patrícia Melo; ERTHAL, Regina de Carvalho (Org.). Rastros da memória: história e trajetórias das populações indígenas na Amazônia. Manaus: Edua, 2006. p. 195-217.

MANIZER, Henrich Henrikhovitch. A expedição do acadêmico G. I. Langsdor ao Brasil (1821-1828). Tradução Osvaldo Peralva. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

MANIZER, Henrich Henrikhovitch. Música e instrumentos de algumas tribos do Brasil. Revista Brasileira de Música, Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, p. 303-327, 1934. Disponível em: < http://books.google.com.br/books?id=-shbAAAAMAAJ&hl=pt-BR&source=gbs_navlinks_s >.

MANIZER, Henrich Henrikhovitch. Les Botocudos d’après les observations reculeillies pendant un séjour chez eux en 1915. Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, 1919a.

MANIZER, Henrich Henrikhovitch. Los Botocudos. Arquivos do Museu Nacional, Rio de Janeiro, n. 22, p. 243-273, set. 1919b.

MARINATO, Francieli Aparecida. Nação e civilização no Brasil: os índios Botocudos e o discurso de paci cação no Primeiro Reinado. Revista de História da UFES, Vitória, v. 21, p. 41-50, 2008.

MATA, Vera Lucia. Kariri-Xocó: o ritual do Ouricuri e a dança do Toré. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 1999. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kariri-xoko/680 >. Acesso em: 16 out. 2015.

MATTA DA SILVA, Gilmar. Instrumentos musicais Aikewára: conhecimento e socialização Universidade Federal do Pará. Revista Antropológica, Belém, v. 5, n. 2, p. 520-529, 2013. Disponível em: < http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/viewFile/1490/1876 >. Acesso em: 8 nov. 2015.

MATTA DA SILVA, Gilmar. Sapurahái de Karuára: mitos, instrumentos musicais e canto entre Suruí Aikewára. Revista Museu, Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: < http://www.revistamuseu.com.br/artigos/art_.asp?Id=27955 >. < http://revistamuseu.com/artigos/art_.asp?id=27955 >. Acesso em: 16 out. 2015.

MATTOS, Amilton. Transformações da música entre os Huni Kuin: o Mahku – Movimento dos Artistas Huni Kuin. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ETNOMUSICOLOGIA, 7., 2015, Florianópolis. Anais… Florianópolis: PPGAS/UFSC, 2015.
MAXPRESS. Marlui Miranda lança “Fala de bicho, fala de gente”, com cantigas de ninar dos índios Juruna, 23 jul. 2014. Disponível em: < http://www.maxpressnet.com.br/Conteudo/1,689289,Marlui_Miranda_lanca_Fala_de_Bicho_Fala_de_Gente_com_cantigas_de_ninar_dos_indios_Juruna_,689289,1.htm >. Acesso em: 31 ago. 2017.

MAYBURY-LEWIS, David. A sociedade xavante. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

MEDEIROS, Sérgio. (Org.). Makunaíma e Jurupari: cosmogonias ameríndias. São Paulo: Perspectiva, 2002. MEER, Tine H. van der. Ideofones e palavras onomatopaicas em Suruí. Estudos Linguísticos, Araraquara, v. 7, p. 10-15, 1983.

MEGGERS, Betty J. Amazonas: a ilusão do paraíso. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Edusp, 1987. v. 113. (Reconquistando o Brasil, 2.)

MEIRELLES, Renata. Giramundo e outros brinquedos e brincadeiras dos meninos do Brasil. São Paulo: Terceiro Nome, 2007.

MEIRELLES, Renata. Ariah pexih: jeito de brincar. Folha de S. Paulo, São Paulo, Mapa do brincar, [s.d.]. Disponível em: < http://mapadobrincar.folha.com.br/brincadeiras/diversas/656-ariah-pexih >. Acesso em: 18 jun. 2015.

MELATTI, Julio Cezar. Áreas Etnográ cas da América Indígena. Departamento de Antropologia da Universidade de Brasília, Instituto de Ciência Sociais. Áreas etnográ cas da América Indígena. Alto Xingu. Capítulo 28, 2011. Disponível em: < http://www.juliomelatti.pro.br/areas/00areas.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017.

MELATTI, Julio Cezar. Índios do Brasil. São Paulo: Edusp, 2007.

MELATTI, Julio Cezar. Curt Nimuendajú e os Jê. Série Antropologia, Brasília, n. 49, p. 1-22, 1985. Disponível em: < http://www.juliomelatti.pro.br/artigos/a-nimuendaju.pdf >. Acesso em: 6 set. 2017.

MELATTI, Julio Cezar. Nota sobre a música craô. Revista Goiana de Artes, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 29-40, 1982. Disponível em: < http://www.juliomelatti.pro.br/artigos/a-musica.pdf >. Acesso em: 18 out. 2015.

MELATTI, Julio Cezar. Como escrever palavras indígenas. Revista de Atualidade Indígena, Brasília, v. 3, n. 16, [s.p.], 1979.

MELATTI, Julio Cezar; RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Nomes de tribos. Revista Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 10, n. 56, p. 2-3, 1989. Disponível em: < http://www.juliomelatti.pro.br/notas/n-chindi.pdf >. Acesso em: 8 fev. 2017. MELIÀ, Bartolomeu. Elogío de la lengua guaraní. Assunção, PY: Centro de Estudios Paraguayos Antonio Guasch, 1995.

MELLO, Glaucia Buratto Rodrigues. Yurupari: o dono das autas sagrados dos povos do Rio Negro, mitologia e simbolismo. Belém: Paka-Tatu, 2013.

MELLO, Maria Ignez Cruz. The ritual of Yamuricumã and the Kawoka utes. In: HILL, Jonathan; CHAUMEIL, Jean-Pierre. Burst of Breath: Indigenous Ritual Wind Instruments in Lowland South American. London: Nebraska Press, 2011. p. 257-276.

MELLO, Maria Ignez Cruz. Ukitsapai: o “ciúme/inveja” na música e nos rituais Wauja. Revista Anthropológicas, Recife, v. 17, n. 1, 2006. Dossiê Etnomusicologia.

MELLO, Maria Ignez Cruz. Iamurikuma: música, mito e ritual entre os Wauja do Alto Xingu. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/102877/211418.pdf?sequence=1 >. Acesso em: 15 set. 2017.

MELLO, Maria Ignez Cruz. Música e mito entre os Wauja do Alto Xingu. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. Leonardo, a auta: uns sentimentos selvagens. Revista de Antropologia (Online), v. 49, n. 2, p. 557-579, 2006a.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. O índio na música brasileira: recordando quinhentos anos de esquecimento. TUGNY, Rosângela Pereira; QUEIROZ, Ruben Caixeta (Org.). Músicas africanas e indígenas no Brasil. Belo Horizonte: UFMG, 2006b.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. Etnomusicologia no Brasil: algumas tendências hoje. Antropologia em Primeira Mão, Florianópolis, v. 67, n. 1, p. 1-20, 2004. Disponível em: < http://apm.ufsc.br/les/2015/05/67.-rafael-bahia.doc >. Acesso em: 3 set. 2017.

MENEZES BASTOS, Rafael José de. A musicológica kamayurá: para uma antropologia da comunicação. 2. ed. Florianópolis: Ed. UFSC, 1999.

MENEZES BASTOS, Rafael José de; PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Sopros da Amazônia: sobre as músicas das sociedades Tupi-Guarani. Mana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 125-143, 1999.

MERRIAM, Alan. The Anthropology of Music. Illinois: Northwestern University Press, 1964.

METRAUX, Alfred. A religião dos Tupinambás. São Paulo: Brasiliana, 1979.

MEYER, Julien; MOORE, Denny. Arte verbal e música na língua gavião de Rondônia: metodologia para estudar e documentar a fala tocada com instrumentos musicais. Boletim Museu Paraense Emilio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v. 8, n. 2, p. 307-324, ago. 2013. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-81222013000200006&lng=en&nrm=iso >. Acesso em: 16 jun. 2015. MILANEZ, Felipe. Memórias sertanistas. São Paulo: Ed. Sesc, 2015.

MINDLIN, Betty. Diários da oresta. São Paulo: Terceiro Nome, 2006.

MINDLIN, Betty. Vozes da origem, estórias sem escrita: narrativas dos índios Suruí de Rondônia. São Paulo: Ática/Iamá, 1996.

MINDLIN, Betty. O aprendiz de origens e novidades: o professor indígena, uma experiência de escola diferenciada. Estudos Avançados, São Paulo, v. 8, n. 20, p. 233-253, abr. 1994.

MINDLIN, Betty. Tupari e Tarupás: narrativas dos índios Tuparis de Rondônia. São Paulo: Brasiliense/Edusp/ Iamá, 1993.

MINDLIN, Betty. Gestão econômica, organização política e autonomia: impasses em Rondônia. Relatório CNPq, 1988.

MINDLIN, Betty. Nós Paiter: os Suruí de Rondônia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1985.

MINDLIN, Betty e narradores Suruí Paiter. Vozes da origem. São Paulo: Record, 2007.

MINDLIN, Betty; TSORABA, Digüt; SEBIROP, Catarino. O couro dos espíritos: namoro, pajés e cura entre os índios Gavião-Ikolen de Rondônia. São Paulo: Senac/Terceiro Nome, 2001.

MIRANDA, Maria de Lourdes de Castro. Acervo de gravações etnomusicológicas, n. 8. Paulínia, SP: Museu Municipal de Paulínia, 1979.

MONDINI, Juliana. Yudja Utaha: a culinária juruna no parque indígena do Xingu – uma contribuição ao dicionário bilíngue juruna-português. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2014.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Através do Mbaraka: música, dança e xamanismo Guarani. São Paulo: Edusp, 2009a.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Caminhando, cantando e dançando com os pais criadores: o jeroky guarani visto como performance. Revista Ilha, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 132-144, 2009b. Disponível em: < http://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/viewFile/2175-8034.2009v11n1-2p131/17791 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Os caminhos: música e cosmologia Guarani. Revista Anthropológicas, Recife, ano 10, v. 17, n. 1, p. 115-134, 2007.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Música e xamanismo guarani. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 24., 2000, São Paulo. Anais… São Paulo, 2000.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Ñande Reko Arandu: memória viva Guarani. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 5, n. 11, p. 203-205, out. 1999. Disponível em: < http://www.ufrgs.br/ppgas/ha/pdf/n11/HA-v5n11a09.pdf >. Acesso em: 17 out. 2015.

MONTARDO, Deise Lucy Oliveira. Através do Mbaraka: uma antropologia da música Guarani. Projeto de Pesquisa. São Paulo, 1998.

MONTEIRO, Glauce. Índios viviam na Amazônia 11 mil anos antes da chegada dos colonizadores. Portal Raízes, [s.d.]. Disponível em: < http://www.portalraizes.com/indiosbrasil >. Acesso em: 1 set. 2017.

MONTEIRO, John Manuel. As “raças” indígenas no pensamento brasileiro do império. In: MAIO, Marcos Chor; SANTOS, Ricardo Ventura (Org.). Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1996. p. 15-22.

MOREIRA, Ismael Pedrosa. Contos e lendas mitológicas do povo Tukano. Manaus: Governo do Estado da Amazônica, 2001.

MOREIRA, Vania Maria Losada. 1808: a guerra contra os Botocudos e a recomposição do império português nos trópicos. Programa Buenos Aires de História Política del Siglo XX, [s. d.]. Disponível em: < http://historiapolitica.com/datos/biblioteca/frontera_moreira.pdf >. Acesso em: 31 ago. 2017.

MOREL, Marcos. Cinco imagens e múltiplos olhares: “descobertas” sobre os índios do Brasil e a fotogra a do século XIX. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 8, p. 1039-1058, 2001. Suplemento. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-59702001000500013 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

MORGADO, Paula. Wayana: rituais. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2003.

MOTA, Lúcio Tadeu. As guerras dos índios Kaingang: a história épica dos índios Kaingang no Paraná (1769-1924). Maringá: Eduem, 1994.

MOTA, Lúcio Tadeu; NOELLI, Francisco Silva; TOMMASINO, Kimiye. Uri e Wãxi: estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: Eduel, 2000.

MÜLLER, Regina Aparecida Polo. Danças indígenas: arte e cultura, história e performance. Indiana, Berlim, v. 21, p. 127-137, 2004. Disponível em: < http://www.iai.spk-berlin.de/leadmin/dokumentenbibliothek/Indiana/Indiana_21/10MuellerRegPol_neu-kM__.pd >. Acesso em: 17 set. 2017.

MÜLLER, Regina Aparecida Polo. Maraká, ritual xamanístico dos Asuriní do Xingu In: LANGDON, Esther Jean (Org.). Xamanismo no Brasil. Florianópolis: Novas Perspectivas/Ed. UFSC, 1996. p. 153-170.

MÜLLER, Regina Aparecida Polo. Mensagens visuais na ornamentação corporal xavante. In: VIDAL, Lux (Org.). Gra smo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: Studio Nobel/Edusp/Fapesp, 1992. p. 133-142. MÜLLER, Regina Aparecida Polo. A pintura do corpo e os ornamentos xavante. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1976.

MUNDURUKU, Daniel. Um avô para chamar de meu. Mundurukando – Blog do Daniel Munduruku, São Paulo, 26 out. 2015. Disponível em: < http://danielmunduruku.blogspot.com.br/2015/10/um-avo-para-chamar-de-meu.html >. Acesso em: 1 set. 2017.

MUNDURUKU, Daniel. As serpentes que roubaram a noite e outros mitos. São Paulo: Peirópolis, 2001. MUNDURUKU, Daniel. Série Mundurukando: vamos brincar de índio?; equívocos nossos de cada dia; usando a palavra certa para doutor não reclamar. Mundurukando – Blog do Daniel Munduruku, São Paulo, [s.d.]. Disponível em: < http://danielmunduruku.blogspot.com.br/p/cronicas-e-opinioes.html >. Acesso em: 1 set. 2017.

MUSEU DO ÍNDIO. Setor de educação. Pesquisa Escolar, [s.d.]. Disponível em: < http://www.museudoindio.org.br/template_01/default.asp?ID_S=33&ID_M=115 >. Acesso em: 21 out. 2015.

N

NASCIMENTO, Marcia. Ẽg Vĩ Ki Kãmén Sĩnvĩ Han: as artes da palavra no Kaingang. Trabalho de Conclusão de Curso (Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. NAVARRO, Eduardo. Método moderno de tupi antigo: a língua da costa do Brasil. São Paulo: Global, 2006. NEVES, Eduardo Góes. Os índios antes de Cabral: arqueologia e história indígena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes; GRUPIONI, Luis Donizete. A temática Indígena na Escola: novos subsídios para professores de 1o e 2o graus. São Paulo: MEC/Mari/Unesco, 1995. p. 171-192.

NEVES, Josélia Gomes. Cultura escrita em contextos indígenas. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2009. NIMUENDAJÚ, Curt. Etnogra a e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaiê-Xavante e os índios do Pará. Campinas, SP: Ed. Unicamp, 1993. (Coleção Repertórios.)

NIMUENDAJÚ, Curt. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1987.

NIMUENDAJÚ, Curt. Os Apinayé. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v.12, 1956. Disponível em: < http://etnolinguistica.wdles.com/local–les/biblio%3Animuendaju-1983-apinaye/nimuendaju_1983_apinaye.pdf >. Acesso em: 6 set. 2017.

NIMUENDAJÚ, Curt. The Tukuna. American Archaeology and Ethnology, v. 45. Tradução William D. Hohenthal; Robert H. Lowie (Ed). Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 1952.

NOELLI, Francisco Silva. A ocupação humana na região Sul do Brasil: arqueologia, debates e perspectivas (1872- 2000). Revista USP, São Paulo, n. 44, p. 218-269, dez./fev. 1999-2000.

O

O POVO Kaingang no Censo 2010 – IBGE. Portal Kaingang, [s.d.]. Disponível em: < http://www.portalkaingang.org/Kaingang%20Censo%20IBGE%202010.pdf >. Acesso em: 11 out. 2015.

OLIVEIRA, João Pacheco de (Org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011.

OLIVEIRA, Sandra Rogéria de. Kamé e Kairu: signi cando a dança Kaingang no tempo e no espaço da educação indígena. Dissertação. (Mestrado em Educação) – Área das Ciências Humanas e Sociais, Universidade do Oeste de Santa Catarina, Joaçaba, 2006.

ONDE encontrar artefatos indígenas? Iandé. Disponível em: < http://www.iande.art.br/museu/museuvirtual.htm >. Acesso em: 21 out. 2015.

ONG, Walter. Oralidade e cultura escrita. São Paulo: Papirus, 1998.

P

PAES, Francisco Simões. Os três lados de uma moeda: conjecturas sobre o estudo de instrumentos musicais Xikrin-Kayapó. In: GORDON, Cesar; SILVA, Fabiola (Org.). Xikrin: uma coleção etnográ ca. São Paulo: Edusp, 2011. p. 97-124.

PARAISO, Maria Hilda Baqueiro. Os Botocudos do leste na ótica dos viajantes do século XIX (1815-1820). In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. 22., FÓRUM DE PESQUISA, 4., 2000, Brasília, Anais… Brasília, 2000. Disponível em: < http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_22_RBA/pdf/F%2004%20Maria%20Hilda%20Baqueiro20Paraiso.pdf >.

PARAISO, Maria Hilda Baqueiro. Krenak: che a e faccionalismo. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 1998a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/krenak/258 >. Acesso em: 1 set. 2017.

PARAISO, Maria Hilda Baqueiro. Krenak: histórico de contato. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 1998b. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/krenak/255 >. Acesso em: 31 ago. 2017.

PARAISO, Maria Hilda Baqueiro. Krenak: introdução. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 1998c. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/krenak >. Acesso em: 1 set. 2017.

PARAISO, Maria Hilda Baqueiro. Krenak: religião. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 1998d. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/krenak/254 >. Acesso em: 1 set. 2017.

PARAKUMU, Umusi; KEHIRI, Toramu. Antes o mundo não existia: mitologia dos antigos Desana-Kehíripõra. São Paulo: Unirt/Foirn/Ed. Unesp, 2005.

PEIRANO, Marisa. Rituais ontem e hoje. Rio de Janeiro: Zahar, 2006. (Primeiros Passos.)

PEREIRA, João José de Felix. Morro da Saudade: a arte Ñandeva de fazer e tocar auta de bambu. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1995.

PERGUNTAS frequentes. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/faq#A >. Acesso em: 11 out. 2015.

PESSIS, Anna-Marie; GUIDON, Niède. Registros rupestres e caracterização das etnias pré-históricas. In: VIDAL, Lux (Org.). Gra smo indígena. São Paulo: Edusp, 1992.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. From Musical Poetics to Deep Language: the ritual of the Wauja sacred utes. In: HILL, Jonathan; CHAUMEIL, Jean-Pierre. Burst of Breath: Indigenous Ritual Wind Instruments in Lowland South American. London: Nebraska Press, 2011. p. 239-256.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Duas pequenas peças para falar de música e pensamento, doença e cura, feitiçaria e sociedade no alto Xingu. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ETNOMUSICOLOGIA – Universos da Música: Cultura, Sociabilidade e a Política de Práticas Musicais, 3., 2006a,
São Paulo. Anais… São Paulo, 2006a. p. 15-20. Disponível em: < http://www4.unirio.br/mpb/textos/anaisabet/Anais_ABET2006.pdf >. Acesso em: 9 fev. 2017.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Re exões a partir da etnogra a da música dos índios Wauja. Revista Anthropológicas, Recife, ano 10, v. 17, n. 1, p. 35-48, 2006b.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. O canto do kawoká: música, cosmologia e loso a entre os Wauja do Alto Xingu. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004. Disponível em: < http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/86556 >. Acesso em: 15 set. 2017.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Flautas e trompetes sagrados do noroeste amazônico: sobre gênero e música do Jurupari. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 5, n. 11, p. 93-118, out. 1999.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Jazz, música brasileira e fricção de musicalidades. Antropologia em Primeira Mão, Florianópolis, v. 21, p. 197-207, 1997a.

PIEDADE, Acácio Tadeu de Camargo. Música Ye’pâ-Masa: por uma antropologia da música no Alto Rio Negro. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997b.

PIMENTEL, Feliciano. A origem da noite & Como as mulheres roubaram as autas sagradas. Manaus, AM: Edua, 2009.

PINTO, Roquette. Rondônia. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1912.

PINTO, Tiago de Oliveira. Som e música: questões de uma antropologia sonora. Revista Antropológica, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 222-286, 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-77012001000100007&lng=en&nrm=iso. > Acesso em: 15 abr. 2015.

POPULAÇÃO Indígena no Brasil. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/0/1/2/populacao-indigena-no-brasil >. Acesso em: 11 out. 2015.

POPYGUA, Timóteo. Ñande Reko Arandu. Encarte CD. Associação Indígena Tembiguai, Associação Indígena da Aldeia Morro da Saudade; Associação Indígena da Aldeia Rio Silveira; Associação Comunitária Indígena do Bracuí- Acibra. São Paulo: Comunidade Solidária/Projeto Memória Viva Guarani, 1999.

PORRO, Antonio. A Amazônia indígena de George Catlin: imagens e relatos de viagem desconhecidos. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi – Série Ciências Humanas, Belém, v. 5, n. 3, p. 647-668, set./dez. 2010.

PORRO, Antônio. O povo das águas: ensaios de etno-história amazônica. Rio de Janeiro: Vozes, 1995.

PORTAL Kaingang. Disponível em: < http://www.portalkaingang.org/index_home.html >. Acesso em: 1 set. 2017.

POVO Yudjá recebe apoio de museu suíço para projeto com músicas tradicionais. Socioambiental, 2005. Notícias socioambientais. Disponível em: < http://site-antigo.socioambiental.org/nsa/detalhe?id=2044 >. Acesso em: 1 set. 2017. POVOS Indígenas do rio Negro/línguas. Foirn, [s.d.]. Disponível em: < http://www.foirn.org.br/povos-indigenas-do-rio-negro/diversidade-linguistica-no-alto-rio-negro >. Acesso em: 10 out. 2016.

POVOS Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental. Quadro geral dos povos, [s.d.]a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/quadro-geral >. Acesso em: 6 out. 2015.

POVOS Indígenas no Brasil: 2006-2010. São Paulo: Cedi/ISA. Série de livros, [s.d.]b. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/downloads#1 >. Acesso em: 11 out. 2015.

PROGRAMA Rio Negro. Etnias do rio Negro. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2002a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/etnias-do-rio-negro >. Acesso em: 1 set. 2017.

PROGRAMA Rio Negro. Etnias do rio Uaupés: Bará. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2002b. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/bara >. Acesso em: 31 ago. 2017.

PROGRAMA Rio Negro. Etnias do rio Uaupés: Desana. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2002c. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/desana >. Acesso em: 31 ago. 2017.

PROGRAMA Rio Negro. Etnias do rio Uaupés: Pira-tapuya. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2002d. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/pira-tapuya >. Acesso em: 31 ago. 2017.

PUCCI, Magda Dourado. As vozes do mundo: ouvir para entender. In: VALENTE, Heloísa; COLI, Juliana (Org.). Entre gritos e sussurros: os sortilégios da voz cantada. São Paulo: Letras e Vozes, 2012. p. 115-128.

PUCCI, Magda Dourado. Aspects of Paiter Suruí oral art. Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology (Online), v. 8, n. 1, p. 411-426, 2011.

PUCCI, Magda Dourado. A arte oral Paiter Suruí de Rondônia. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2009.

PUCCI, Magda Dourado. Vozes e ritos: as oralidades no mundo São Paulo: Musimid, 2006. Disponível em: < http://www.musimid.mus.br/2encontro/ les/2%BA%20Encontro%20Magda%20Pucci%20completo.pdf >. Acesso em: 15 abr. 2015. REZENDE, Justino Sarmento. Escola indígena municipal Utãpinopona Tuyuka e a construção da identidade Tuyuka. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, 2007. RIBEIRO, Berta. Arte indígena, linguagem visual. Ensaios de Opinião 7, Rio de Janeiro, p. 101-110, 1989a.

R

RIBEIRO, Berta. Arte indígena, linguagem visual. São Paulo: Itatiaia, 1989b.

RIBEIRO, Berta. A arte índia: Suma Etnológica Brasileira. Ed. atual. Handbook of South American lndians. Rio de Janeiro: Finep/Vozes, 1987. v. 3.

RICARDO, Beto; RICARDO, Fany. Povos Indígenas no Brasil: 2011-2016. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011. RICARDO, Carlos Alberto. Os índios e a sociodiversidade nativa contemporânea no Brasil. In: LOPES DA SILVA, Aracy; GRUPIONI, Luís Donisete (Org.). A temática indígena na escola. Brasília: MEC/Mari/Unesco, 1995. Disponível em: < https://pt.scribd.com/document/14575123/Os-indios-e-a-sociodiversidade-nativa-contemporanea-no-Brasil-Ricardo-C-A >. Acesso em: 6 set. 2017.

RIO Negro. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < https://www.socioambiental.org/pt-br/o-isa/programas/rio-negro >. Acesso em: 19 set. 2017.

RIOS, Rosana. Mavutsinim e o Kuarup. São Paulo: SM Editora, 2008.

RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas indígenas brasileiras. Brasília: LALLI UNB, 2013. Disponível em: < http://www.laliunb.com.br >. Acesso em: 15 out. 2015.

ROMERO, Zeus M. Os Paiter Suruí: do arco e echas às tecnologias do século XXI. Dissertação (Mestrado em História) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2014.

ROSA, Rogerio Reus Gonçalves da. Os Kujá são diferentes? Doenças invisíveis: aliança e guerra no xamanismo kaingang. Mediações, Londrina, v. 19, n. 2, p. 84-110, jul./dez. 2014. (Dossiê – Estudos Sobre as Sociedades Jê [Kaingang e Xokleng] no Sul do Brasil.). Disponível em: < http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/20699/15765 >. Acesso em: 6 set. 2017.

ROSA, Rogério Reus Gonçalves da; VENZON, Rodrigo. Vozes kaingang na Aldeia Grande. Encarte CD. Realização: Felipe da Silva Rêton, Joao Carlos Kanheró (Kasu); Zílio Salvador (Jagtyg). Apoio: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2004-2005.

ROTHENBERG, Jerome. Etnopoesia no milênio. Rio de Janeiro: Azougue, 2006.

ROTHENBERG, Jerome. Technicians of the Sacred: A Range of Poetics from Africa, America, Asia, Europe e Oceania. London: University of California Press, 1985.

RUIZ, Irma. En pos de la dilucidación de un doble enigma: los marcadores sagrados de género de los Mbyá- Guaraní. In: REUNIÓN DE ANTROPOLOGÍA DEL MERCOSUR, 6., 2005, Montevidéu. Anais… Montevidéu, 2005. RUIZ, Irma; HUSEBY, Gerardo V. Pervivencia del rabel europeo entre los Mbyá de Misiones. Temas de Etnomusicologia 2, Buenos Aires, v. 2, p. 67-97, 1986.

S

SANDRONI, Carlos. Amjëk n: música dos povos Timbira. Música e Cultura, n. 2, 2007. Resenha de CD.

SARAMAGO, José. Cadernos de Lanzarote. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

SCHAAN, Denise Pahl. A Amazônia em 1491. Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, Ilhéus, v. 11-12, n. 20- 21, p. 55-82, jul./dez. 2008, jan./jun. 2009.

SCHADEN, Egon. A mitologia heroica das tribos indígenas do Brasil. São Paulo: Edusp, 1989.

SCHADEN, Egon. Aspectos fundamentais da cultura guarani. São Paulo: Edusp, 1974[1962].

SCOLFARO, Aline et al. Cartogra a dos sítios sagrados: primeiro informe de avanços. São Paulo: Instituto Socioambiental/Brasília, DF: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional/Ministério da Cultura do Brasil. Bogotá: Ministério de Cultura de Colômbia, 2013. (Série Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial do Noroeste Amazônico). Disponível em: < http://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/les/publicacoes/informe_binacional_cartograa_web.pdf >. Acesso em: 1 set. 2017.

SEEGER, Anthony. Por que cantam os Kisêdjê. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

SEEGER, Anthony. Why Suyá sing: a musical anthropology of an Amazonian people. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

SEEGER, Antony. Novos horizontes na classi cação dos instrumentos musicais. In: RIBEIRO, Berta. (Coord.). Arte Índia: Suma Etnológica Brasileira. Petrópolis, RJ: Vozes/Finep/Darcy Ribeiro, 1986. p. 173-187. v. 3.

SETTI, Kilza. Amjëkīn: Música dos povos Timbira (Canela-Apaniekrá, Krikati, Canela-Ramkokamekrá, Gavião-Pykopjê, Apinajé e Krahô). Encarte CD. São Paulo: CTI, 2004.

SETTI, Kilza. Orassom: preces cantadas dos Mbyá-Guaranis. Revista Música, São Paulo, v. 8, n. 1-2, p. 57-66, maio/ nov. 1997.

SEVERO, Diego Fernandes Dias. “Dentro e fora”: os signi cados do fazer artesanatos entre os Kaingang nas cidades. Amazônica – Revista Antropológica (Online), v. 7, n. 1, p. 50-72, 2015. Disponível em: < http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/viewFile/2151/2444 >. Acesso em: 7 out. 2015.

SILVA, Aracy Lopes da. Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.

SILVA, Aracy Lopes da; FERREIRA, Mariana Kawall Leal (Org.). Antropologia, história e educação: a questão indígena na sala de aula. São Paulo: Global/Fapesp/Mari, 2001.

SILVA, Domingos Bueno. Música e pessoalidade: por uma antropologia da música entre os Kulina do Alto Purús. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Centro de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1997.

SILVA, Giovani José; COSTA, Anna Maria Ribeiro Fernandes Moreira da. Entre pinturas corporais e notas musicais: história e etnogra a nas obras de Darcy Ribeiro e Desidério Aytai. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 3 n.2, p. 159-182, jul./dez. 2010. Disponível em: < http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/74/73 >. Acesso em: 15 nov. 2015.

SILVA, Maria das Graças Santana. Brinquedos indígenas na Amazônia. Belém: Museu Paraense Emilio Goeldi, 2010. SILVA, Sergio Batista. Etnoarqueologia dos gra smos Kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades Proto-Jê Meridionais. São Paulo: USP-FFLCH, 2001a.

SILVA, Sérgio Batista. Etnoarqueologia dos gra smos Kaingang: um modelo para a compreensão das sociedades Proto-Jê Meridionais. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filoso a Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001b.

SNETHLAGE, Emil Heinrich. Musikinstrumente der Indianer des Guaporégebietes. Baessler-Archiv, Berlim, n. 10, 1939. SNETHLAGE, Emil Heinrich. Atiko y: Meine Erlebnisse bei den Indianern des Guaporé. Berlim: Klinkhardt & Biermann Verlag, 1937. Disponível em: < http://www.etnolinguistica.org/snethlage:index >. Acesso em: 1 set. 2017.

SOARES, Artemis Araújo. O jogo de bolinha de gude (peteca) praticado com caroço de tucumã. In: GRANDO, Beleni Saléte (Org.). Jogos e culturas indígenas: possibilidades para a educação intercultural na escola. Cuiabá: EdUFMT, 2010. p. 35-60. Disponível em: < http://www.esporte.gov.br/arquivos/sndel/esporteLazer/cedes/jogosCulturasIndigenas.pdf#page=38 >. Acesso em: 7 fev. 2017.

SOUZA, Márcio. A Amazônia indígena. São Paulo: Record, 2015.

SOUZA, Márcio. A expressão amazonense do colonialismo ao neocolonialismo. Manaus: Valer, 2003.

SPIX, Johann Baptist von; MARTIUS, Karl Friedrich Philipp von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Edusp, 1976. v. 1.

STEIN, Marilia Raquel Albornoz. Mboraí Mbyá-Guarani: expressões performáticas de um modo de ser cosmo- sônico. In: ROSADO, Rosa Maris; FAGUNDES, Luiz Fernando Caldas (Org.). Presença indígena na cidade: re exões, ações e políticas. Porto Alegre: Núcleo de Políticas Públicas para Povos Indígenas/Hartmann, 2013. p. 52-62.

STEIN, Marilia Raquel Albornoz. Kyringue mborai: os caminhos de uma etnogra a musical entre crianças Mbyá- Guarani na terra indígena Tekoa Nhundy (Rio Grande do Sul). Em Pauta, Porto Alegre, v. 18, n. 31, p. 51-80, jan./ jun. 2007.

STEINEN, Karl von den. O Brasil central: expedição em 1884 para a exploração do rio Xingu. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1942. Disponível em: < http://www.brasiliana.com.br/brasiliana/colecao/obras/158/O-Brasil-Central-Expedicao-em-1884-para-a-exploracao-do-Rio-Xingu >. Acesso em: 14 fev. 2017.

STEINEN, Karl von den. Entre os aborígenes do Brasil central. São Paulo: Departamento de Cultura, 1940. STRADELLI, Ermanno. Lendas e notas de viagem: a Amazônia de Hermano Stradelli. São Paulo: Martins Fontes, 2009. STRADELLI, Ermanno. La leggenda del Jurupary e outras lendas amazônicas. São Paulo: Instituto Cultural Ítalo- Brasiliano, 1964.

SUFIATTI, Tanabi; BERNARDI, Lucí dos Santos; DUARTE, Cláudia Glavam. Cestaria e a história de vida dos artesãos indígenas da terra indígena Xapecó. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, San Juan de Pasto, v. 6, mar. 2013. Disponível em: < http://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/56 >. Acesso em: 11 out. 2015.

T

TAMBIAH, Stanley. Culture, Thought, and Social Action: An Anthropological Perspective. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1985.

TASSINARI, Antonella. Concepções indígenas de infância no Brasil. Revista Tellus, Campo Grande, v. 7, n. 13, p. 11-25, 2007.

TERRAS INDÍGENAS. O Socioambiental das Terras Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < https://terrasindigenas.org.br/ >. Acesso em: 9 out. 2015.

TOMMASINO, Kimiye. A história dos Kaingang da bacia do Tibagi: uma sociedade Jê meridional em movimento. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filoso a, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

TOMMASINO, Kimiye; FERNANDES, Ricardo Cid. Kaingang: arte e cultural material. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001a. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang/289 >. Acesso em: 2 dez. 2015.

TOMMASINO, Kimiye; FERNANDES, Ricardo Cid. Kaingang: cosmologia e mitologia. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001b. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang/289 >. Acesso em: 2 dez. 2015.

TOMMASINO, Kimiye; FERNANDES, Ricardo Cid. Kaingang: nome. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001c. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang >. Acesso em: 19 set. 2017.

TOMMASINO, Kimiye; FERNANDES, Ricardo Cid. Kaingang: ritual e xamanismo). Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, 2001d. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/povo/kaingang/289 >. Acesso em: 2 dez. 2015. TOMMASINO, Kimiye; RESENDE, Jorgisney (Org.). Kikikoi: ritual dos Kaingang na área indígena do Chapecó: registro áudio-fotográfico do ritual dos mortos, 2000. CD-livro Midiograf.

TRAVASSOS, Elizabeth. Brazil’s indigenous universe. In: KUSS, Malena. Music in Latin America and the Caribbean: an encyclopedic history. Performing beliefs: indigenous peoples of South America, Central America and Mexico, 2004. v. 1. Disponível em: < http://utpress.utexas.edu/index.php/books/kusmus#sthash.iHkqV5Hv.dpufhistory >. Acesso em: 26 ago. 2015.

TRAVASSOS, Elizabeth. Glossário de instrumentos musicais. In: RIBEIRO, Berta. (Coord.). Arte Índia: Suma Etnológica Brasileira. Petrópolis, RJ: Vozes/Finep/Darcy Ribeiro, 1986. v. 3. p. 29-64. Disponível em: < http://etnolinguistica. wd les.com/local–les/suma%3Avol3p29-64/vol3p29-64.pdf >. Acesso em: 6 set. 2017.

TRAVASSOS, Elizabeth. Xamanismo e música entre os Kayabi. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1984.

TRONCOS e famílias. Povos Indígenas no Brasil. Instituto Socioambiental, [s.d.]. Disponível em: < http://pib.socioambiental.org/pt/c/no-brasil-atual/linguas/troncos-e-familias >. Acesso em: 15 out. 2015.

TUGNY, Rosangela. A educação musical nas escolas regulares e os mestres das culturas tradicionais negras e indígenas. Revista Música e Cultura, Salvador, v. 9, p. 1-13, 2014.

V

VEIGA, Juracilda. Cosmologia e práticas rituais kaingang. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filoso a e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

VELTHEM, Lucia Hussak van. Trançados indígenas norte amazônicos: fazer, adornar, usar. Revista Estudos e Pesquisas, Brasília, v. 4, n. 2, p. 117-146, dez. 2007. Disponível em: < http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/cogedi/pdf/revista_estudos_pesquisas_v4_n2/Artigo_3_Lucia_Hussak_Trancados_indigenas_norte_amazonicos_fazer_adornar_usar.pdf >. Acesso em: 15 out. 2015.

VENERE, Roberto. Projeto Açaí: uma contribuição à formação dos professores indígenas no estado de Rondônia. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara, 2011.

VIDAL, Jean-Jacques. A cerâmica Paiter Suruí de Rondônia: continuidade e mudança (1970-2010). Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2011.

VIDAL, Lux. Exposição “A presença do invisível”: catálogo. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2016. Catálogo da exposição “A presença do invisível”. Disponível em: < http://www.museudoindio.gov.br/projetos-e-parcerias/21-projetos-e-parcerias/programas/23-a-presenca-do-invisivel >. Acesso em: 1 set. 2017.

VIDAL, Lux. Turé dos povos indígenas do Oiapoque. Rio de Janeiro: Museu do Índio/São Paulo: Iepé, 2009.

VIDAL, Lux. A música dos índios e a música erudita no Amapá. In: MIRANDA, Marlui (Org.). Ponte entre povos. São Paulo: Sesc-SP, 2005. p. 15-23.

VIDAL, Lux. A pintura corporal e a arte grá ca entre os Kayapó-Xikrin do Cateté. In: VIDAL, Lux (Org.). Gra smo indígena. São Paulo: Studio Nobel/Edusp/Fapesp, 1992a. p. 143-90.

VIDAL, Lux (Org.). Gra smo indígena. São Paulo: Studio Nobel/Edusp/Fapesp, 1992b.

VIEIRA DA SILVA, Márcia. Aldeia Tururukari-Uka (A casa de Tururucari). Manaus: Gra sa, 2013.

VIEIRA DA SILVA, Márcia. Reterritorialização e identidade do povo Omágua-Kambeba na aldeia Tururucari-Uka. Dissertação (Mestrado em Geogra a) – Instituto de Ciências Humanas e Letras, Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2012.

VILLAS-BÔAS, Orlando. A arte dos pajés, impressões sobre o universo espiritual xinguano. São Paulo: Globo, 2000. VILLAS-BÔAS, Orlando; VILLAS-BÔAS, Cláudio. Almanaque do sertão: histórias de visitantes, sertanejos e índios. São Paulo: Globo, 1997.

VILLAS-BÔAS, Orlando; VILLAS-BÔAS, Cláudio. Xingu: os índios, seus mitos. São Paulo: Círculo do Livro, 1970. VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Os involuntários da pátria: aula pública durante o ato Abril Indígena, Cinelândia, Rio de Janeiro, 20 abr. 2016. Disponível em: < http://www.academia.edu/24713932/OS_INVOLUNTARIOS_DA_PATRIA >. Acesso em: 31 ago. 2017.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A oresta de cristal: notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14-15, p. 319-338, 2006a. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/50120/55708 >. Acesso em: 15 nov. 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. Entrevista à equipe de edição, Povos Indígenas no Brasil, 2006b. Disponível em: < https://pib.socioambiental.org/les/le/PIB_institucional/No_Brasil_todo_mundo_%C3%A9_%C3%ADndio.pdf >. Acesso em: 20 set. 2017.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Nimuendajú e os Guarani (apresentação). In: NIMUENDAJÚ, Curt. As lendas da criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: Hucitec/ Edusp, 1987. p. 17-38.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O chocalho do xamã é um acelerador de partículas. Revista Sexta-feira número 4 . Corpo, São Paulo, 1999

W

WAJÃPI: Expressão grá ca e oralidade entre os Wajãpi do Amapá: Rio de Janeiro: Iphan, 2006. (Dossiê Iphan, 2.) Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/uploads/cknder/arquivos/Dossie_wajapi.pdf >. Acesso em: 15 out. 2015. WERÁ, Kaká. Tupã Tenondé. São Paulo: Peirópolis, 2005.

WERÁ, Kaká. 500 anos de desencontros. Isto é, São Paulo, n. 1555, 21 jul. 1999. Entrevista concedida a Ademir Assunção. Disponível em: < http://pindoramahistoria.wordpress.com/2015/02/05/a-terra-dos-mil-povos-de-kaka-wera-jecupe >. Acesso em: 25 jun. 2015.

WERLANG, Guilherme. Emerging Peoples: Marubo Myth-Chants. Dissertation (PhD is Social Anthropology) – University of Saint Andrews, Saint Andrews, 2001.

WIESEMANN, Ursula Goetjen. Dicionário kaingang-português. Curitiba: Esperança, 2011. Disponível em: < http://www-01.sil.org/americas/brasil/publcns/dictgram/KGDict.pdf >. Acesso em: 22 fev. 2017.

Z

ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. São Paulo: Ateliê, 2005.

ZU WIED NEUWIED, Maximilian. Viagem ao Brasil, Belo Horizonte: Itatiaia/São Paulo: Edusp, 1986. (Coleção Reconquista do Brasil, 2). v. 156.

CDs e LPs

AMJËK N: Música dos Povos Timbira. Gravações dos grupos Canela Apãniekrá, Krikâti, Canela Ramkokamekrá, Gavião Pykopjê, Apinajé, Krahô. Produção: Centro de Trabalho Indigenista; Associação Vy ́ty Caitè dos Povos Timbira do Maranhão e do Tocantins. Coordenação musical: Kilza Setti. Apoio: Petrobras/MinC. São Paulo: Maracá, 2004. CD duplo.

CANTO DAS MONTANHAS: Músicas Krenak, Maxakali e Pataxó. Cantos gravadas no Festival de Dança e Cultura Indígena da Serra do Cipó. Apoio: Núcleo de Cultura Indígena. Belo Horizonte: Sonhos e Sons, 1999. 1 CD.

ETENHIRITIPÁ: Cantos da Tradição Xavante. Registro dos cantos Xavante do Mato Grosso do Wai ́á ritual de passagem para a vida adulta de um garoto Xavante Gravado na aldeia Etenhiritipá (Pimentel Barbosa). Apoio: Núcleo de Cultura Indígena. Rio de Janeiro: Três Pontas/EMI, 1994. 1 CD.

IHU: Todos os Sons. Direção: Marlui Miranda. Recriação de músicas dos Jaboti, Yanomami, Pakaa Nova, Parakanã, Kayapó, Nambikwara, Karitiana, Tupari, Surui, Suyá. Produção: Rodolfo Stroeter. São Paulo: Pau Brasil, 1995. 1 CD.

MÚSICA DEGLI INDIANI DEL BRASILE: Gravações de músicas dos Karajá, Javahé, Krahó, Tukuna, Juruna, Suyá, Trumai, Shukarramãe. Pesquisa: Harold Schultz; Vilma Chiara. Milão: Sciascia, 1979. 1 LP.

MÚSICA INDÍGENA: A arte vocal dos Suyá. Gravação: Anthony Seeger. São Paulo: Tacape, 1982. 1 LP.

MUSIQUE INDIENNE DU BRESIL: Danse of Kuikuro Indiens High Xingu, Mato Grosso. Foto: Simone Dreyfus. Capa: Indian Music, Brasil (2. ed.). Paris: CNRS Musée de l’Homme Phonographic Collection, Vogues LVLX-194, 1969. 1 LP. Disponível em: < http://archives.crem-cnrs.fr/archives/collections/CNRSMH_E_1969_005_001 >. Acesso em: 1 set. 2017.

NÃNDE ARANDU PYGUÁ: Memória Viva Guarani. Gravações de acalantos, cantos religiosos infantis, auta feminina e tema da dança do Tangará. Produzido pelo Instituto Teko Arandu. Apoio: Secretaria do Estado da Educação. Fundo Social de Solidariedade, Secretaria do Estado da Cultura, Cepam e Cáritas Brasileira. São Paulo: MCD, 2004. 1 CD.

ÑANDE REKO ARANDU: Memória Viva Guarani. Músicas dos grupos de crianças das aldeias Guarani: Sapucaí (Angra dos Reis); Rio Silveira (São Sebastião); Morro da Saudade (São Paulo); Jaexaá Porã (Ubatuba). Gravações realizadas na aldeia Jaexaá Porã. Apoio: Comunidade Solidária. Secretaria do Estado da Cultura/Projeto Memória Viva Guarani. São Paulo: MCD, 2000. 1 CD.

NEMONGO ́I: Canto Kaiowá – Cantos Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul das comunidades Mbororo, Jaguapiru, Itay, Guyra e Kambiy. Direção antropológica e produção: Graciela Chamorro. Apoio. MinC/Proex/UFGD. Dourados: UFGD, 2000. 1 CD.

PAITER MEREWÁ: Assim cantam os Suruí. Cantos dos Paiter Surui. Pesquisa e gravação: Betty Mindlin: Marlui Miranda; Marcos Santilli. São Paulo: Phillips 1985. 1 LP.

PROJETO ACALANTO: As canções das mulheres indígenas do Rio Negro. Produção: Ricardo Berwanger, Franco de Sá; Andrea Prado. Apoio: Funai/Foirn/Petrobras/MinC. Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <www. projetoacalanto.art.br>. Acesso em: 1 set. 2017.

REAHU HE A: Cantos da festa yanomami. Gravações de cantos yanomami nas comunidades Watoriki, Toototobi Catrimani e Baixo Catrimani. Organização: Davi Kopenawa; Marcos Wesley de Oliveira. Assessoria antropológica: Bruce Albert. Manaus: Hutukara Associação Yanomami, 2005. 1 CD.

RONDÔNIA 1912. Gravações de músicas Pareci e Nambikwara feitas por Roquette Pinto. Documentos Sonoros do Laboratório de Pesquisas em Etnicidade, Cultura e Desenvolvimento (Laced) – Setor de Etnologia e Etnogra a do Departamento de Antropologia do Museu Nacional/UFRJ, 2008. 1 CD. Disponível em: < https://soundcloud.com/nimuendaju/sets/rondonia >. Acesso em: 1 set. 2017.

RUPESTRES SONOROS: O canto dos povos da oresta. Realização: Grupo Mawaca. Recriação de cantos Paiter Surui, Ikolen-Gavião, Pakaa Nova, Txucarramãe, Huni-Kuin entre outros. Direção musical e pesquisa: Magda Pucci. São Paulo: Ethos Music, 2005. 1 CD.

UTÃPINOPONA BASAMOR . Músicas gravadas nas aldeias de Cachoeira Comprida, no Alto rio Tiquié e em São Gabriel da Cachoeira. Apoio: Foirn/ISA/Dartmouth College. Pesquisa e produção: Marlui Miranda; Guilherme Tenório (Porõ); Higino Tenório (Poani). Apoio antropológico: Flora Cabalzar; Aloisio Cabalzar. São Gabriel da Cachoeira: Associação Escola Indígena Utapinopona, 2003. CD triplo, libreto trilíngue.

VOZES KAINGANG NA ALDEIA GRANDE – Kanhgág Ag Vi Ymã Mág Ki. Cantos mitológicos do gufã e cantos de guerra, arco de boca. Intérpretes: João Carlos Kanheró (Kasu); Felipe da Silva (Retón); Zílio Salvador (Jagtyg). Mediação intercultural: Rodrigo Venzon. Direção antropológica: Rogério Reus Gonçalves da Rosa. Direção musical: Jorge Herrmann. Apoio: Secretaria Municipal de Cultura. Porto Alegre: Fumproarte, 2004. 1 CD.

WHY SUYÁ SING: A musical anthropology of an Amazonian People. CD encartado no livro Why Suyá Sing de Anthony Seeger. Chicago: University of Illinois Press, 2004. 1 CD.

XINGU: Cantos e Ritmos. Gravações de músicas dos Kamayurá, Txucarramãe, Yudjá e Yawalapiti pelos irmãos Villas-Bôas. Coordenação geral: Muller Chaves. Direção: Darcy Cavalheiro. Idealização: Arend Shoorl. São Paulo: Phillips, 1972. 1 LP.